segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Curta-Metragem sobre o Preconceito a Portadores de HIV

corto, curta, short film, AIDS, SIDA
AIDS e PRECONCEITO tema da animação venezuelana 
No dia primeiro de dezembro celebrou-se O Dia Mundial de Combate à Aids, iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS). Com a intenção de postar algum curta que tratara sobre o assunto, o Outro Cine encontrou a animação La Cruz que + Pesa. Fruto de um trabalho acadêmico do curso de Desenho Gráfico da Universidad de Los Andes (ULA), na Venezuela, o curta-metragem aborda a discriminação sofrida pelos portadores da doença, principalmente aquela gerada por preconceito religioso. Kizzy Lugo, uma das diretoras do curta, em informação exclusiva para o Outro Cine, comentou que o curta acaba de receber um prêmio no IV Festival de Cortometrajes de Barquisimeto 2008 (Venezuela). Kizzy também contou que a animação está sendo enviada para o Chile, "é uma doação para a organização Levántate, que presta auxílio a famílias inteiras com HIV", informou em primeira mão a animadora. La Cruz que más Pesa foi realizado por Kizzy Lugo, Sergio Dolfo, Yohanna Acosta e Raúl Riera, com desenhos de Fernan Nápoles.
La Cruz que + Pesa


Sinopse
Discriminar uma pessoa com HIV ou AIDS, porque a Igreja continua a rotular erroneamente essa condição e os seus contextos, não permitirá aos afetados superarem e enfrentarem as adversidades. Além disso, ficarão derrotados, para poder manter as suas relações amorosas, de trabalho, amizades, em fim, toda a sua vida.

Gênero Animação
Diretor Kizzy Lugo, Yohanna Acosta, Sergio Dolfo
Ano 2008
Duração 3min
Cor Colorido
País Venezuela


Confira interessante texto sobre La Cruz que + Pesa
(em espanhol)

3 comentários:

Jú disse...

É... o drama da rejeição... Não são apenas os portadores de HIV que sentem o peso da rejeição da sociedade...
Muito bom o curta para fazer as pessoas pensarem um pouco na situação alheia... Gostei da animação e da trilha...

Jorge Salles disse...

além de muito bem feita a animação traz e transmite uma mensagem que deve ser espalhada para todos. Quem tem HIV não é um monstro, é uma pessoa que precisa de amizades, amor e carinho iguais a qualquer outra pessoa. Uma pessoa com Aids pode e deve ter uma vida normal, afinal já existem os coquetéis de remédios que proporcionam a retomada de uma vida.

Yerko Herrera disse...

Jú, tu tem razão, o alerta a discriminação e preconceito tem que ser extendido à todos, não só aos portadores dessa triste doença. A animação passa muito bem a mensagem de tristeza e isolamento sentida por uma pessoa contaminada.

Isso aí, Jorge, concordo contigo!

Obrigado pelos belos comentários!!!