quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Pela Rua - Curta baseado em poesia de Ferreira Gullar


Curta-metragem livremente inspirado em poema de Ferreira Gullar
Foto Still - Carlos Gerbase
curta, oficinas PUCRS, short film, poesia, Gerbase
Júlia Pressotto e Alexandre Vargas no curta Pela Rua
Pela Rua é um curta gaúcho baseado em poema homônimo de Ferreira Gullar. O próprio poeta recita a poesia, gravada no Rio de Janeiro, que, após isso, foi mixada paralelamente à leitura do ator Alexandre Vargas. Rodado em Porto Alegre, o filme mostra um poeta que, durante a criação de um poema, vaga, entre pensamentos e desejos, atrás de sua musa. Na construção dos versos, o personagem devaneia buscando inspiração na visão de uma linda mulher inalcançável, nisso perde a oportunidade real de encontrá-la.
Como Ferreira Gullar foi um dos responsáveis pela revisão da obra de Augusto dos Anjos, colocando-o em seu devido lugar de destaque na poesia brasileira e suscitando a justa importância que este nosso raro poeta merece, em Pela Rua a uma referência à Augusto dos Anjos registrada em um cartaz que figura dentro de um bar atrás do protagonista. Assista abaixo este curta-metragem.
Yerko Herrera

Pela Rua

Sinopse
Poeta vaga solitário por uma grande cidade, perdido em seus desejos, inspirações e pensamentos. Entre encontros e desencontros, imaginários e reais, ele acha motivação para compor seus versos.

Gênero Ficção
Diretor Dimitre Lucho / Michele Maurente
Elenco Alexandre Vargas, Júlia Pressotto, Jesse Guelfi, Carlos Azevedo
Ano 2003
Duração 8min
Cor Colorido
Bitola 16mm
País Brasil

Ficha Técnica
Produção Mônica Schmitt Fotografia Viviane Schwagwer Roteiro Dimitre Lucho Som Direto Yerko Herrera Direção de Arte Yerko Herrera Voz Ferrereira Gullar, Alexandre Vargas Trilha original Diasper Lucho Figurino Patrícia Aranguiz Still Leandro Caobelli, Carlos Gerbase Supervisão de Som e Mixagem Cristiano Scherer


Pela Rua

Ferreira Gullar

Sem qualquer esperança
detenho-me diante de uma vitrina de bolsas
na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, domingo,
enquanto o crepúsculo se desata sobre o bairro.

Sem qualquer esperança
te espero.
Na multidão que vai e vem
entra e sai dos bares e cinemas
surge teu rosto e some
num vislumbre
e o coração dispara.
Te vejo no restaurante
na fila do cinema, de azul
diriges um automóvel, a pé
cruzas a rua
miragem
que finalmente se desintegra com a tarde acima dos edifícios
e se esvai nas nuvens.

A cidade é grande
tem quatro milhões de habitantes e tu és uma só.
Em algum lugar estás a esta hora, parada ou andando,
talvez na rua ao lado, talvez na praia
talvez converses num bar distante
ou no terraço desse edifício em frente,
talvez estejas vindo ao meu encontro, sem o saberes,
misturada às pessoas que vejo ao longo da Avenida.
Mas que esperança! Tenho
uma chance em quatro milhões.
Ah, se ao menos fosses mil
disseminada pela cidade.

A noite se ergue comercial
nas constelações da Avenida.
Sem qualquer esperança
continuo
e meu coração vai repetindo teu nome
abafado pelo barulho dos motores
solto ao fumo da gasolina queimada.


Postagem originalmente publicada no blogue Música&Poesia

8 comentários:

Jú disse...

Muito boa a poesia e o curta inspirado nela.
Gosto bastante das obras de Ferreira Gullar.

Yerko Herrera disse...

Valeu Jú! Também gosto do Ferreira Gullar. Esse curta foi produzido por alunos da PUCRS.

Beijo.

Carlos Andrei Siquara disse...

Olá yerko, gostei do curta. Até!

Adriana disse...

Eu adoro poesia!
Eu achei o curta-muito lindo e intenso cheio de mensagens ocultas!

Yerko Herrera disse...

Carlos e Adriana, muito obrigado pelos comentários generosos. Fico honrado, pois fiz parte da equipe que realizou este curta-metragem.

Adriana, assim como tu sou um apreciador da poesia. Te convido a visitar meu outro blogue, o Música&Poesia - www.musicapoesiabrasileira.blogspot.com

Beijos.

Jú disse...

Agora que li a ficha técnica e vi que vc participou da produção. Parabéns!!

Yerko Herrera disse...

Obrigado, Jú! Fiz parte da equipe do curta, fui o responsável pela Arte e pelo Som. O filme é o resultado de um curso que realizei na PUCRS.

Beijão.

Lino Tavares disse...

Esse curta é uma daquelas simbioses clássicas em que se fundem arte literária e sétima arte (cinema), dando ao contexto um colorido especial. O poema Pela Rua, que inspirou esse pequeno documentário, é uma das boas expressões artísticas de Ferreira Gullar, que também fez história na dramaturgia, deixando com sua morte um vazio considerável na cultura brasileira. Destaque para o cineasta Dimitre Lucho, roteirista e diretor do filme, que lhe valeu um prêmio conferido pela Secretaria de Cultura do Rio Grande do Sul. Também se destaca no curta o maestro Diásper Lucho, irmão de Dimitre, produzindo a trilha sonora.